quinta-feira, 4 de setembro de 2008

DESEJOS INVOLUNTÁRIOS



Lambia-lhe a face e a outra metade.

Voraz, devolvia-lhe:

suor, sêmem, castidade.


Enroscou-se na sua vontade,

bem na ponta da língua nua...

Ah...saciedade misturada!

Fez, por vaidade.


Despiu-lhe os olhos e a pele,

sem casca, sem cápsulas protetoras:

comeram-se, embriagaram-se...

Gozaram por um vasto minuto de

eternidade, capacitados... pecadores.

Senhores de suas vontades.

LuciAne

3 comentários:

blog do dudu santos disse...

Luciane, obrigado pelo seus elogios....gosto da sua poesia, esta carga sensual, esta trama existêncial, mistura alquímica de líquidos, tudo embaixo da "pele do poema"....parabéns de verdade...você é um assunto, pessoas e casas devem ser habitáveis.....
bjo do artista

THE WIZARD disse...

Poemas de impacto
Personalidade intensa pelo visto :)

Tb gostei dos seus poemas...obrigado por visitar meu blog!

bj

jurandir disse...

lindo poema



jurandir
do poemas a flor da pele